a interpretacao dos sonhos

A interpretação dos sonhos

Por Claudia Jarola

A Interpretação dos sonhos por Freud

Na antiguidade os sonhos eram compreendidos pela maioria das pessoas como uma inspiração ou avisos que vinham do divino. Pouco se estudou sobre esses sonhos até que Freud fez uma importante descoberta.

Após estudos de seus próprios sonhos e também pesquisas Freud modifica a forma de pensar sobre sonhos. Os sonhos para Freud não são imagens aleatórias e representadas durante o sono. Os sonhos vão muito além disso, pois são representações formadas pelo inconsciente. O inconsciente é onde ficam as situações traumáticas e desejos reprimidos. Durante o sono que o inconsciente se manifesta através de distorções e situações que não podem ser compreendidas diretamente.

Todo o conteúdo que a pessoa não tem acesso por estar em seu inconsciente se manifesta neste momento dos sonhos. Para interpretar as representações é necessário que o analista busque o conteúdo latente. O conteúdo latente seria o que está por trás das representações, diferente do conteúdo manifesto que é o enredo. Geralmente a pessoa recorda da parte manifesta apenas, sendo que o importante para a analise é a parte latente.

Sonhar é normal e faz parte do ser humano. O importante é a interpretação dos sonhos.

Nessa parte latente através de objetos, sensações e situações na maioria das vezes distorcidas estão o conteúdo que pode ser originário do desejo reprimido ou trauma vivenciado. Os desejos aparecem também através de objetos. Para Freud essa transferência para os objetos seria chamada de deslocamento. Esses objetos seriam símbolos em busca de expressar de alguma forma seu desejo, muitas vezes sexual. São chamados de símbolos Freudianos ou símbolos sexuais.

A interpretação dos sonhos foi considerado o maior trabalho executado pelos estudos de Freud, já que serviu para inaugurar uma nova forma de interpretação dos seres humanos. Até então não se conhecia esta parte da mente denominada como inconsciente. Freud desenvolveu formas em que é possível realizar a interpretação dos sonhos já que neles estão manifestações de desejos que são percebidos pela interpretação dos sinais do inconsciente.

Muitas vezes a forma de agir ou de se relacionar de um humano é mal compreendida até por ele próprio. Muitas destas situações podem estar sendo conduzidas por reações do inconsciente e sem mesmo que a pessoa saiba disso. Esta parte inacessada da mente foi uma descoberta que possibilitou inúmeros novos estudos para Freud e seus posteriores seguidores de pesquisas.

O ser humano que era considerado um ser totalmente racional através desta descoberta mostra-se também vulnerável em determinados aspectos de sua mente. Seus traumas, vivencias e sua forma de lidar com tudo isso acaba por formar sua forma de funcionamento mental. Já o consciente seria a parte que os em humano tem conhecimento e pode facilmente acessar em suas decisões do dia a dia.

Os sonhos são vistos como expressão simbólica dos conteúdos inconscientes.

Os sonhos na maioria das vezes não são recordados, ou ao menos não em sua totalidade ao acordar. Isso se deve a um mecanismo de defesa para não se confrontar o inconsciente, assim como por outros motivos. Por o inconsciente ser incomodo, ele não atravessa a barreira para o consciente. Outro citado pela obra de Freud seria o pouco interesse das pessoas pelos sonhos. Elas geralmente não tentam se recordar lembrar dos sonhos. Também se cita que esquecer as imagens de pouca afinidade com a mente seria muito mais fácil. Quando se dorme esse bloqueio do inconsciente entra em estado mais leve, tornando possível a manifestação através de distorções para que consiga passar pelo consciente. Muitas pessoas acordam e relatam sonhos muito estranhos, em lugares e situações inimagináveis em sua vida cotidiana por estes motivos.

Sonhar faz parte da existência humano e é considerado normal. Apesar disso o comportamento do neurótico pode ser diagnosticado através dos sonhos, já que é comum o deslocamento nestes casos.

Quais os estímulos para desencadear um sonho?

Estímulos e fontes dos sonhos também foram estudados e se chegou a basicamente quatro formas de um sonho começar seu conteúdo. A primeira diagnosticada por Freud foi através de excitação sensorial externa (objetiva), que são pequenos reflexos de percebidos pelos nossos órgãos sensoriais durante o sono. Uma luz, ruído, mudança de temperatura, alguma dor pode interferir no sono. Esse estímulo, não seria responsável pelo desenvolvimento das imagens advindas desse sonho, apenas estimula alguma situação representada nele.

A segunda seria a excitação sensorial interna (subjetiva), que viria internamento dos órgãos sensoriais que podem ser ocasionados por pequenas sensações de zumbido nos ouvidos, algum luminoso no campo visual mesmo escurecido e isso se transformar em até vários deles com uma multiplicação de objetos representados nos sonhos.

Outra forma poderia ser um estímulo corporal orgânico e interno que poderia vir dos órgãos. O corpo através do sono atinge uma consciência sensorial muito maior do que em vigília segundo estudiosos. Essa permite que órgãos em disfunção disparem um inicio de sonho. E finalmente as fontes psíquicas de estímulo.

Deixe seu Comentário

Your email address will not be published.